CF BARBARA STARFIELD

Praça Augusto Monteiro, S/N - Del Castilho - Rio de Janeiro - RJ | CEP: 21051-100 | ☎ Telefone: (21) 2228-6078 | 3217-1251
Funcionamento: Segunda-feira a Sexta-feira das 07h às 18h - Sábado das 08h às 12h
Gerente: Verônica Oliveira | CNES 6820018 - ESF: 06 | ESB: 02

COMO CHEGAR FALE CONOSCO

Serviços e Metas

Acolhimento

Orientações sobre o nosso atendimento.

Saiba Mais

Nossas Metas

Ações em prol de assegurar a saúde com qualidade.

Saiba Mais

Multimídia

Acesso ao conteúdo audiovisual da unidade.

Saiba Mais

Nossa Equipe

Nossos profissionais e território de atuação

Saiba Mais

Postagens Recentes

sexta-feira, 24 de março de 2017

Vacinação Febre Amarela



   A febre amarela é uma doença infecciosa viral aguda, transmitida por mosquitos, presente em países da África e das Américas Central e do Sul. A transmissão pode ocorrer de duas formas: silvestre e urbana. Mas se trata de uma só doença. 
   No ciclo silvestre, os vetores são os mosquitos Haemagogus e Sabethes que transmitem a febre amarela ao picarem um macaco doente e, em seguida, uma pessoa.  No ciclo urbano, o veículo do vírus é o mosquito Aedes aegypti, o mesmo transmissor da dengue. 


✔No dia 25/03 a CF Barbara Starfield funcionará de 8 as 17 h para vacinação de febre amarela;
✔A partir do dia 25/03 a vacina da Febre amarela entrará na rotina, sendo ofertada de 2° à 6°feira de 8 as 18h e sábado de 8 as 12h, não havendo necessidade da procura em massa no dia 25/03, evitando assim maiores transtornos;
✔É imprescindível a apresentação do documento com foto para maiores de 16 anos, para menores de 16 anos certidão de nascimento/caderneta de vacinação;
✔ Contra indicações: gestantes, mulher amamentando crianças menores de 6meses, pessoas com 60 anos ou mais, pessoas imunossupressão(HIV, Câncer, doença do timo, transplantados, esclerose múltipla,encefalomielite), pessoas com histórico de reação anterior;
✔Indicação da vacina: crianças a partir de 9 meses e pessoas até 59 anos, exceto os casos acima.





terça-feira, 21 de março de 2017

Orgulho SUS



   No dia 21 de março comemoramos o dia do Orgulho SUS!!! 












terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

A camisinha estourou? Conheça a PEP




O que é PEP?
   A sigla PEP significa Profilaxia Pós-exposição.
   É uma forma de diminuir o risco de infecção pelo HIV usando medicamentos antirretrovirais do tratamento utilizado para Aids, em pessoas que possam ter tido contato com o vírus recentemente, pela prática sexual desprotegida (sem preservativo, por rompimento ou vazamento do preservativo).
   Esses medicamentos precisam ser administrados rapidamente e mantidos por 28 dias, com o objetivo de tentar impedir a infecção do HIV.

A PEP NÃO substitui o uso da Camisinha!

   A PEP é uma alternativa para ser usada de maneira emergencial em caso de falha no uso do preservativo.


Como ter acesso à PEP?
   Procure preferencialmente nas primeiras duas horas após a exposição e em até 72 horas uma unidade de saúde ou de emergência para avaliação médica e orientação sobre a administração dos medicamentos.


Hospitais de emergência:
  • Hospital Municipal Souza Aguiar (Centro);
  • Hospital Municipal Salgado Filho (Méier);
  • Hospital Municipal Miguel Couto (Leblon);
  • Hospital Municipal Lourenço Jorge (Barra da Tijuca);
  • Hospital Municipal Pedro II (Santa Cruz);
  • Hospital Municipal Evandro Freire (Ilha do Governador).
  • CER (Coordenação de Emergência Regional);
  • UPA (Unidade de Pronto Atendimento);
  • Clínica da Família;
  • Centro Municipal de Saúde.

O uso frequente da PEP pode causar resistência e pode deixar de ser eficiente!


Onde ser atendido?
   A unidade responsável pelo cuidado da sua saúde é definida pelo seu local de moradia. A partir do seu endereço, você pode consultar qual é sua unidade.


Em caso de duvidas ligue 1746



quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Leptospirose: O que é e como prevenir.




O que é leptospirose?
   A leptospirose é uma doença causada por uma bactéria presente na urina do rato que normalmente se espalha pela água suja de enchente, lama e esgoto.

Como as pessoas se contaminam?
   As pessoas podem ficar doentes quando entram em contato com água ou lama contaminadas pela urina de roedores (ratazanas, ratos de telhado e camundongos).
   A bactéria entra na pele, com ou sem ferimentos, quando em contato com águas contaminadas.

Alguns cuidados para se prevenir da doença:
   Evite o contato com água ou lama de enchentes ou esgotos. Impeça que crianças nadem ou brinquem nesses locais, que podem estar contaminados pela urina dos ratos.
   Pessoas que trabalham na limpeza de ambientes que contenham lama, entulho e esgoto devem usar botas e luvas de borracha para evitar o contato da pele com água e lama contaminadas (se isso não for possível, usar sacos plásticos duplos amarrados nas mãos e nos pés).
   Após as águas baixarem será necessário retirar a lama e desinfetar o local (sempre se protegendo).
   Deve-se lavar pisos, paredes e bancadas desinfetando com água sanitária na proporção de 2 xícaras de chá (400 ml) desse produto para um balde de 20 litros de água, deixando agir por 30 minutos.

Medidas práticas para evitar a presença de roedores:
   Manter os alimentos guardados em recipientes bem fechados e à prova de roedores (potes de vidro, latas de alumínio), em locais elevados do solo. Manter a cozinha limpa, sem restos de alimentos, para evitar a presença de roedores.
   Retirar as sobras de alimento ou ração de animais domésticos antes do anoitecer e manter limpos os vasilhames de alimentação, evitando restos alimentares que atraem os roedores.
   Fechar buracos e vãos nas paredes e rodapés para evitar a entrada de roedores nas casas. Manter ralos e vasos sanitários bem tampados.
   Manter os terrenos baldios limpos. As margens de córregos devem ser preservadas e protegidas, sem lixo ou entulho.
   Evitar entulhos e acúmulo de objetos nos quintais, como telhas, madeiras e materiais de construção, pois servirão de abrigo ao roedor.
   Acondicionar o lixo em sacos plásticos ou em latões de metal com tampa, armazenando-o em locais altos até que seja coletado.
   Colocar o lixo pouco antes da coleta realizada pelo Serviço de Limpeza Urbana.

Atenção aos sintomas:
   Se, apesar dessas orientações, você apresentar febre, dor de cabeça e dores no corpo até 40 dias depois de ter entrado em contato com as águas de enchente ou esgoto, procure imediatamente a unidade de saúde mais próxima. Não se esqueça de contar ao médico o seu contato com água ou lama de enchente.



terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Saiba como agir em caso de enchentes: Abrigo




   O abrigo é um local de acolhimento de pessoas desabrigadas diante de uma situação de emergência, com objetivo de satisfazer as necessidades físicas e sociais, individuais e coletivas, como: saneamento, nutrição, cuidados médicos, vestuário, privacidade e outras.
   É um fator decisivo para a preservação da dignidade humana e a sobrevivência das pessoas atingidas por desastres. Além disso, o abrigo contribui para a sustentação da vida familiar e em comunidade.


1. Recuperação Emocional:

   Medo, desconfiança, tristeza, angústia, incerteza, dificuldade para dormir, irritabilidade, falta de concentração, falta ou excesso de apetite e crises de choro são reações normais nas pessoas atingidas por desastres. A expressão desses sentimentos ajuda na recuperação de quem passou por situações de perdas de entes queridos, patrimônios e abalo emocional devido à ocorrência de um desastre.
   O impacto emocional e suas consequências interferem na capacidade de adaptação e recuperação que habitualmente as pessoas têm frente a crises que ocorrem pelo curso da vida. Por isso, alguns cuidados são fundamentais para ajudar as pessoas atingidas por desastre a enfrentarem esse momento tão difícil.

Algumas orientações para facilitar o convívio em ambiente coletivo:
• Desabafe com uma pessoa de sua confiança, conte o que sente e também escute os problemas dela. A solidariedade e apoio mútuo são formas de enfrentar o problema.
• Realize atividades com seus vizinhos para apoiarem-se mutuamente e superar os problemas gerados pelo desastre.
• Use somente medicamentos recomendados pelo médico. Não se automedique. Evite “tomar medicamentos para nervos” por conta própria.
• Não beba álcool ou outras drogas para driblar a situação ou para “sentir-se melhor”.
• Use preservativos nas relações sexuais.
• Contribua nas atividades de limpeza e manutenção do abrigo, responsabilizando-se pelo bem-estar de todos.
• Promova a liderança positiva.
• Participe das tarefas que impliquem compromisso grupal e individual, por exemplo: cuidar de crianças menores; participar da preparação da alimentação etc.
• Forme grupos de conversa para possibilitar a expressão de seus sentimentos com a situação.
• Desencoraje condutas impensadas que conduzam a violência.
• Respeite o espaço do outro, mesmo vivendo em ambiente coletivo.
• Organize atividades esportivas e culturais.

Cuidados com as crianças:
• Em situações de desastre, muitas vezes as crianças não expressam com facilidade o que sentem, por isso é muito importante escutá-las, dar-lhes carinho, segurança e brincar com elas.
• Organize atividades de recreação e esportivas, de acordo com a idade das crianças abrigadas.
• Estimule que as crianças se expressem por meio de desenhos, relatos e redações contando a experiência vivida.
• Respeite o tempo que cada criança precisa para expressar seus sentimentos.


2. Cuidados com o ambiente e a higiene pessoal num abrigo:

   O banheiro deve estar sempre higienizado e organizado, com papel higiênico, lixeira, sabonete e álcool 70%. A retirada do lixo, limpeza do local, reposição de papel higiênico, sabonete e álcool 70% devem ocorrer, no ­máximo, a cada três horas.
   Caso a água apresente odor e/ou coloração diferente do habitual, utilize-a somente para a descarga do vaso sanitário. Nesse caso, a pia de lavagem das mãos deve ser interditada.

A limpeza do local deverá seguir os seguintes procedimentos:
• Misture 2 xícaras (400 ml) de água sanitária* (2,0 a 2,5%) em 20 litros de água.
• Utilize panos limpos para a limpeza do local.
• Umedeça esses panos nessa solução desinfetante.
• Limpe cada local abundantemente.
• Deixe secar naturalmente.
*A água sanitária deve ter registro no MS.

Quando lavar as mãos?

ANTES DE:
• Preparar alimentos e manusear utensílios para prepará-los;
• Comer;
• Amamentar;
• Tocar numa pessoa doente.

DEPOIS DE:
• Manusear objetos sujos;
• Tocar em animais;
• Ir ao banheiro;
• Trocar fraldas;
• Assoar o nariz, espirrar, tossir;
• Tocar em alimentos crus;
• Tocar no lixo;
• Tocar em objetos que tenham estado em contato com água da enchente;
• Tocar em uma pessoa doente;
• Tocar em feridas.

O que fazer para manter as mãos limpas?
   Higienizar as mãos com frequência, com água limpa e sabonete. Caso não haja água limpa e sabonete disponíveis, você pode utilizar álcool a 70%. Após utilizar o álcool, deixar as mãos secar naturalmente.


3. Manipulação de alimentos na cozinha de um abrigo: 

   A cozinha improvisada para a preparação das refeições dos abrigados deve ter condições apropriadas de higiene e organização para que o alimento produzido não se torne fonte de doenças. Por isso, fique atento a algumas regras.
   Evite acumular lixo além da capacidade do recipiente e não o retire durante a manipulação dos alimentos.
   Coloque algumas lixeiras (ou similares) com tampa para disposição adequada dos resíduos gerados dentro da cozinha.
   Limpar a cozinha sempre que necessário e ao final das atividades de trabalho, não deixando acumular sujeira.
   Retire objetos sem utilidade desse local.
   As superfícies que entram em contato com o alimento (por ex.: a mesa) devem ser de material liso. Evite o uso de madeira. Elas devem ser higienizadas sempre que outro alimento for manipulado.
   Defina um local apropriado (seco e sob abrigo do sol) para armazenamento de todos os produtos que serão utilizados na cozinha. NUNCA guarde os produtos de limpeza junto com os alimentos.
   Lave todos os utensílios utilizados entre o preparo de um alimento e outro.
   A refeição deve ser consumida em no máximo duas horas. Depois disso, essas preparações devem ser jogadas fora.
   Sugere-se que sejam definidos horários para as refeições, de forma que todos se alimentem no mesmo horário. Isso evita que os alimentos fiquem por muito tempo expostos à temperatura ambiente.
   O alimento deve ser consumido ainda quente e logo após o preparo.
   Evite o contato de alimentos crus (como carne, frango e peixe) com alimentos cozidos.
   Pessoas que manipulam os alimentos devem lavar as mãos e utilizar roupas limpas (de preferência brancas), proteger os cabelos e não utilizar anel, colar, brinco, pulseira ou relógios, nem maquiagem.
   Os alimentos devem ser bem cozidos. O cozimento pode ser verificado pela mudança na cor e/ou mudança de textura da parte interna do alimento.
   Para uma melhor segurança alimentar, solicite apoio do serviço de nutrição da Secretaria de Saúde da sua cidade.


4. Prevenção de doenças infecciosas respiratórias:

   No ambiente fechado e com aglomeração de pessoas, é possível o aparecimento de doenças infecciosas respiratórias.
   Sempre que tossir ou espirrar, proteja a boca e o nariz com um lenço de papel. Se não tiver lenço de papel, use a dobra interna do cotovelo.
   Evitar tocar os olhos, nariz ou boca com as mãos após contato com superfícies.
   Manter os ambientes limpos e ventilados.

Lavar as mãos, com água e sabão, principalmente depois de:
• Tossir ou espirrar
• Após usar o banheiro;
• Antes das refeições;
• Antes de tocar os olhos, boca e nariz.

Cuidados com o ambiente:
• Garantir uma boa ventilação em todos os lugares.
• Estabelecer um plano de limpeza e desinfecção diária de todas as superfícies de mobílias, corrimão, puxadores de porta e outros equipamentos. Após a limpeza e desinfecção, secar completamente todas as superfícies.
• Se tiver um sistema de ar condicionado, deve deixá-lo com a máxima entrada de ar fresco, bem como deve manter o sistema com uma limpeza adequada e realizar a manutenção periódica das redes de filtros.

Sintomas: 
   Se apresentar febre, tosse e/ou dor de garganta, procure imediatamente a unidade de saúde. 
   O doente deve seguir as orientações do médico e tomar os medicamentos corretamente.
   O doente deve ficar em repouso, ter uma alimentação balanceada, ingerir líquidos, evitar se locomover enquanto estiver doente – até 5 (cinco) dias após o início dos sintomas.


5. Cuidados ao voltar para casa:

Verifique a presença de animais peçonhentos
• Entre emcasa comcuidado.Animais peçonhentos, como serpentes, aranhas ou escorpiões, podemestar escondidos.
• Bata os colchões e sacuda lençóis,roupas, calçados e toalhas (comcuidado) antes de usá-los.
• NUNCAtoque neles,mesmo que pareçamestarmortos!
• NUNCAenfie amão emburacos ou frestas.Use umcabo de vassoura ou similar.
• Se encontrar algumdesses animais, afaste-se lentamente (semassustá-lo) e chame o controle de zoonoses ou o Corpo deBombeiros de sua cidade.

EM CASO DE PICADA
• Solicite atendimento médico o mais rápido possível.
• Espere o atendimento em repouso.
• Procure ficar calmo, deitado e com o membro picado mais alto que o resto do corpo.

Limpeza da casa
• Antes de começar a limpeza, coloque calça comprida, botas e luvas! Se não tiver botas e luvas, coloque em cada mão e em cada pé dois sacos plásticos amarrados para tentar evitar o contato da pele com a água contaminada.
• Será necessário retirar a lama e lavar o chão, paredes e objetos. Depois desinfectar usando uma solução com 20 litros de água com 2 xícaras das de chá de hipoclorito de sódio (2,5%) ou água sanitária (2,0 a 2,5%);

ATENÇÃO:
   Se você ficar doente, procure uma unidade de saúde e lembre-se de contar para o médico o seu contato com a água de enchente. NÃO SE AUTOMEDIQUE. Principais consequências à saúde decorrentes das enchentes: ferimentos, traumas, transtornos mentais e ocorrência de diversas doenças como as infecciosas respiratórias, leptospirose, hepatite A, diarreias, dengue, tétano acidental, febre tifoide, cólera e acidentes com animais peçonhentos.



Infográfico

6 Grupos de Saúde
em nossa unidade.
2,450,000 Metros Quadrados
é o tamanho da nossa área de abrangência.
14133 Usuários
beneficiados por nossa unidade.

Como eu Faço

Como eu Faço
Visita domiciliar, acolhimento e atividades de grupo
Vai Acontecer
Grupos e ações promovidos pela unidade que irão acontecer.
Conheça esta história
História contada por um ACS
Saúde nas Escolas
Integração com as escolas e creches locais.
Protagonismo Juvenil
Grupo de adolescentes que apóiam as ações de promoção da saúde existentes na unidade.
Integração
Saúde da Família e Vigilância em Saúde.
Integração
Ensino-Serviço-Comunidade
Academia Carioca
Processo de trabalho e os principais resultados obtidos pelos educadores físicos.

Contato

Fale Conosco

Entre em contato com nossa unidade, fale com nossos profissionais e tire suas dúvidas quanto aos nossos programas

Endereço

Praça Augusto Monteiro, S/N - Del Castilho

Funcionamento

De Segunda a Sexta das 07h às 18h | Sábado das 08h às 12h

Telefones

(21) 2228-6078 | 3217-1251

Tecnologia do Blogger.